Por que ser contra a Revolução?

Se a Revolução é a desordem, a Contra-Revolução é a restauração da ordem. E por ordem entendemos, a paz de Cristo no Reino de Cristo. Ou seja, a Civilização Cristã, austera e hierárquica, fundamentalmente sacral, anti-igualitária e anti-liberal.
Dr. Plínio Corrêa de Oliveira

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Pe. José Bento Ferreira de Mesquita (1825–1893)

Pe. José Bento
 José Bento Ferreira de Mesquita nasceu , em 1825. Sentindo-se chamado por Cristo, seguiu para Mariana onde estudou e recebeu o sacramento da Ordem em 1856. No ano seguinte, o padre se dirigiu para Lavras, tornando-se pároco de Sant’Ana pelos próximos 35 anos – recorde que ainda permanece. O professor e historiador Firmino Costa escreveu que o padre José Bento se notabilizava por sua “hospitalidade, que nunca recusou a quem quer que fosse, e a caridade que jamais cansou de praticar”. Diz-se que era tão hospitaleiro, acolhendo todos os viajantes sem distinção, que esta era a razão pela qual não existiam hotéis ou pensões na cidade. Também ajudou na edificação da Santa Casa de Misericórdia. Faleceu em 1893, mas sua memória nunca foi esquecida. Quando da reforma de seu túmulo, em 1960, uma misteriosa água começou a brotar da terra. Desde então, tradicionalmente os fiéis lá comparecem para se benzerem com a água. Segundo um levantamento realizado pelos devotos do vigário, disponível no arquivo da paróquia de Sant’Ana, nos últimos cinquenta anos mais de 250 pessoas registraram graças e curas alcançadas por intermédio do grandioso padre José Bento.

Fonte: blog História de Lavras

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Núncio em Cuba critica ditadura castrista

O núncio do Vaticano em Cuba concedeu uma entrevista a um jornal italiano onde faz pesadas críticas ao regime dos irmãos Castro. Sabendo como diplomatas são cautelosos com as palavras e como vivemos o renascer da sinistra Teologia da Libertação, as palavras de D. Musarò são extremamente benvindas. O blog Deus lo Vult escreveu um ótimo artigo sobre o tema. Leia aqui.

“O Estado controla tudo” e “a única esperança de vida para as pessoas é fugir da ilha”, explicou o núncio Musarò, descrevendo a situação de degradação, penúria e opressão dos cubanos. E concluiu dizendo que, inexplicavelmente, “até hoje, transcorrido mais de meio século, continua-se falando da Revolução e se louva-a, enquanto as pessoas não têm trabalho e não sabem como fazer para dar de comer a seus próprios filhos”.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

As negras nuvens que se aproximam

No batizado de sua filhinha, o pai segura a criança ao colo enquanto a mãe abraça o pároco (não, não é engano)
O grotesco tomou conta da Igreja Católica na Argentina. Essa farsa grotesca é um claro pseudo-batismo por faltar-lhes a intenção. Leia mais aqui. Para não ficar atrás, no Brasil, D. Damasceno, Arcebispo de Aparecida e presidente da CNBB, declarou à Folha de São Paulo que a Igreja agora tem uma atitude "mais respeitosa e menos severa" para com os sodomitas, além de "respeitar a união civil estável" entre eles. D. Damasceno certamente ignora os ensinamentos de São João Paulo II e Bento XVI sobre a necessidade da Igreja opor-se a tais uniões civis, que nada mais são do que uma brecha por onde se forçará o casamento gay religioso.
Não sem motivo, D. Athanasius Schneider, um dos poucos bispos com coragem, conhecido pela sua defesa da Tradição, já fala abertamente em cisma para um futuro breve.

Foi nisto que deu o "casamento" gay

Original: blog Algol Minima

No Brasil há uma bebé com 1 pai, 2 mães e 6 avós
poliamoria web 
Trata-se de um caso de poliamoria: uma mulher é lésbica, a outra é bissexual e coabita sexualmente com a primeira e com um homem que é o pai da criança.
De facto, trata-se já (na prática) de um casamento entre três pessoas, que é o prelúdio para o “casamento” entre quatro, cinco, seis, sete … ou vinte pessoas. Agora imaginem a complexidade jurídica e ética de um divórcio de um “casamento” entre sete pessoas … e com crianças envolvidas!
Abre-se uma caixa de Pandora: dentro em breve haverá uma criança, por exemplo, com cinco mães, sete pais, e 24 avós. O fundamento deste sofisma é a ideia segundo a qual “a família não é uma estrutura natural, e sim cultural” — quando, na realidade, a família é um misto das duas coisas!
Quando se separa a família, por um lado, da natureza, por outro lado, tudo é possível em nome da “cultura”. E mesmo que fosse verdade que “a família não é uma estrutura natural, e sim cultural”, haveria que saber se as culturas são todas igualmente positivas — por exemplo, saber se uma cultura que permite a excisão feminina é tão boa como uma cultura que não a permite.
Uma criança com “seis avós” é um delírio, porque não existe ligação carnal entre a criança e dois dos avós. Separar a família da criança, por um lado, da sua ligação carnal e familiar, por outro lado, é um delírio que coloca em causa o bem-estar da criança — embora se defenda o contrário. O que se pretende é a satisfação dos desejos dos adultos, e as crianças transformam-se em joguetes nas mãos de gente irresponsável e inconsciente.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

O faroeste é aqui

Troca de tiros assusta moradores no bairro Novo Horizonte

Uma troca de tiros entre traficantes na tarde desta quinta-feira(11), assustou moradores do bairro Novo Horizonte em Lavras. Durante o conflito, que teria começado dentro de um bar, uma mulher que passava pelas proximidades foi atingida na perna por uma bala perdida.

A vítima, de 24 anos, foi levada para a unidade de pronto-atendimento de Lavras e não corre risco de morte. Os suspeitos foram identificados pela polícia e estão foragidos.

Original: O Lavrense

Tudo tem um preço

Começa-se assim:
Manchete de um jornal português sobre a recepção dada a guerrilheiros comunistas por S.S. Paulo VI no Vaticano em 1972.
e logo chega-se a isso:

Cristão crucificado no Iraque em 2014
A diferença é que os católicos de hoje já perderam a capacidade de indignar-se com os desmandos da hierarquia.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Para onde a Marina nos levará se eleita?

Descobri para onde a "sonhática" da Marina nos levará após as eleições. A distância não é grande. O difícil será atravessar os rios de sangue que separam a realidade da sonholândia marineira.

A caminho do Brasil de Marina